segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Inicializando e parando o Tomcat no Linux com o comando "service"

    Nesse post vou mostrar como configurar o Tomcat para ser inicializado e parado através do comando "service", e como colocar o servidor de aplicação para ser startado juntamente com a máquina.

    Vamos a configuração: Crie um arquivo em /etc/init.d/ chamado tomcat (não precisa de extensão) com o seguinte conteúdo:

#config tomcat

export CATALINA_HOME="/opt/apache-tomcat-7.0.69"

ERROR=0

case "$1" in
  start)
    echo $"Iniciando o Tomcat"
    sh $CATALINA_HOME/bin/startup.sh
    ;;

  stop)
    echo $"Parando servidor Tomcat"
        sh $CATALINA_HOME/bin/shutdown.sh
    ;;

  restart)
    echo $"Parando servidor Tomcat"
    sh $CATALINA_HOME/bin/shutdown.sh
    echo $"Iniciando servidor Tomcat"
    sh $CATALINA_HOME/bin/startup.sh
    ;;

  *)
    echo $"Uso: $0 {start|stop|restar}"

 exit 1
 ;;

esac

exit $ERROR


    Na parte destacada em amarelo, lembrar de colocar o caminho e versão do Tomcat do seu servidor. Agora vamos dar a permisão de leitura e execução:

chmod +rx /etc/init.d/tomcat

   Pronto, agora para inicializar o Tomcat bastausar o comando:

service tomcat start 
   
   E para parar:

service tomcat stop

   O restart por sua vez executa os dois comandos. Agora vamos configurar para iniciar o script no start do servidor. Basta executar este comando:

update-rc.d tomcat defaults

   Através deste comando é criado o link simbólico para a execução na inicialização do Linux. Para remover ele basta executar o seguinte:

update-rc.d tomcat remove

   Para esse post é só! Como sempre, espero ter ajudado...
 

sábado, 7 de dezembro de 2019

Debug remoto no Tomcat com o Eclipse

    Nesse post vou mostrar como preparar o Tomcat para Debug remoto com o Eclipse.

    Primeiro precisamos criar um arquivo na pasta raiz do Tomcat, e esse arquivo muda de extensão e de conteúdo de acordo com o S.O..

    Vamos primeiro ao do Windows: pode chamá-lo de startupDebug.bat e o conteúdo básico deve ser o seguinte:

set JPDA_ADDRESS=8000
set JPDA_TRANSPORT=dt_socket
bin/catalina.bat jpda start


    No ambiente linux o arquivo pode ser chamado de startupDebug.sh e deve ter permissão de leitura e execução (+rx). O conteúdo básico é o seguinte:

export JPDA_ADDRESS=8000
export JPDA_TRANSPORT=dt_socket
bin/catalina.sh jpda start


    Feito isso, quando quisermos debugar o Tomcat pelo eclipse, basta executar o Tomcat a partir desse script, ao invés do startup.bat (ou startup.sh em ambientes Linux) que executamos de costume. A porta de acesso ao sistema via browser continua a mesma de antes, a nova porta configurada foi para o debug. Será necessário liberação da porta no firewall em caso de acesso a servidores protegidos.

    Tendo feito isso e com a aplicação já startada, vamos ao eclipse configurar o debug remoto.

    No eclipse, no menu Run vá em Debug Configurations, a seguinte janela abrirá:


    Clique com o botão direito do mouse na opção Remote Java Aplication e escolha a opção New Configuration.  A imagem abaixo mostra em realce cada ponto de configuração, que são bem intuitivos. Após escolher a aplicação e dizer o endereço da aplicação onde está o localhost, no campo Port coloque a porta que configuramos no arquivo e clieque em Debug.








    Pronto, se todas as configurações estiverem corretas, o eclipse vai se conectar com a aplicação e você poderá debugar normalmente o código. Abraços!

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Criando DataSource no Tomcat 7 e usando com persistence.xml e/ou hibernate.cfg.xml

     Quando criamos uma aplicação, é comum termos ambientes diferentes e/ou clientes diferentes, e isso nos traz a necessidade de fazer a nossa aplicação se conectar com bases de dados diferentes para cada ambiente/cliente. Para resolver isso de forma elegante, tiramos a responsabilidade de conhecer a URL, Usuário e Senha do Banco da aplicação e passamos para o servidor. Nesse post mostro como montar o DataSource no Tomcat. (Foi feito no Tomcat 7 que é o que uso no trabalho).


1 - Copiar as libs referentes ao Driver JDBC e c3p0 para o TomCat



Ex:

- Driver JDBC

postgresql-8.4-702.jdbc3.jar



-Lib c3p0

c3p0-0.9.1.jar



- Dependências da lib c3p0

antlr-2.7.6.jar

commons-collections-3.2.jar

dom4j-1.6.1.jar

jta-1.0.1B.jar



2 - Adicione o seguinte trecho ao arquivo web.xml (Note que o <res-ref-name> contém o mesmo nome que vamos dar a configuração do DataSource no Tomcat)



<resource-ref>

<description>DB Connection</description>

<res-ref-name>jdbc/nome_datasource</res-ref-name>

<res-type>javax.sql.DataSource</res-type>

<res-auth>Container</res-auth>

</resource-ref>



Para quem usa hibernate.cfg.xml



3 - No hibernate.cfg.xml remova as informações de conexão (url, usuário e senha) e de pool, e acrescente apenas a seguinte linha:



<property name="hibernate.connection.datasource">java:/comp/env/jdbc/nome_datasource</property>



Para quem usa JPA



4 - No persistence.xml remova as informações de conexão (url, usuário e senha) e de pool, e acrescente apenas a seguinte linha:



<non-jta-data-source>java:comp/env/jdbc/nome_datasource</non-jta-data-source>



5 - Configurar o context.xml (apache-tomcat-7.0.96/conf/context.xml) do Tomcat adicionando o trecho de código abaixo



(Alterando endereço, senha e usuário do banco de acordo com o ambiente/cliente que o Tomcat está alocado)



<Resource name="jdbc/nome_datasource" auth="Container"

factory="org.apache.naming.factory.BeanFactory"

type="com.mchange.v2.c3p0.ComboPooledDataSource"

driverClass="org.postgresql.Driver"

jdbcUrl="jdbc:postgresql://x.x.x.x:5432/nome_banco"

user="usuario_bd"

password="senha_bd"

minPoolSize="10"

maxPoolSize="160" />







Fonte:



Trabalhando com Datas no PostgrSQL

Operações com datas:
timestamp '2001-09-28 01:00' + interval '23 hours' -> timestamp '2001-09-29 00:00'
date '2001-09-28' + interval '1 hour' -> timestamp '2001-09-28 01:00'
date '01/01/2006' – date '31/01/2006'
time '01:00' + interval '3 hours'time -> '04:00'
interval '2 hours' - time '05:00' -> time '03:00:00'

Função age (retorna Interval) - Diferença entre datas
age(timestamp)interval (Subtrai de hoje)
age(timestamp '1957-06-13') -> 43 years 8 mons 3 days
age(timestamp, timestamp)interval Subtrai os argumentos
age('2001-04-10', timestamp '1957-06-13') -> 43 years 9 mons 27 days

Função extract (retorna double) Extrai parte da data: ano, mês, dia, hora, minuto, segundo.
select extract(year from age('2001-04-10', timestamp '1957-06-13'))
select extract(month from age('2001-04-10', timestamp '1957-06-13'))
select extract(day from age('2001-04-10', timestamp '1957-06-13'))

Data e Hora atuais (retornam data ou hora)
SELECT CURRENT_DATE;
SELECT CURRENT_TIME;
SELECT CURRENT_TIME(0);
SELECT CURRENT_TIMESTAMP;
SELECT CURRENT_TIMESTAMP(0);

Somar dias e horas a uma data:
SELECT CAST('06/04/2006' AS DATE) + INTERVAL '27 DAYS' AS Data;

Função now (retorna timestamp with zone)
now() - Data e hora corrente (timestamp with zone);
Não usar em campos somente timestamp.

Função date_part (retorna double)
SELECT date_part('day', TIMESTAMP '2001-02-16 20:38:40');
Resultado: 16 (day é uma string, diferente de extract)

Obtendo o dia da data atual:
SELECT DATE_PART('DAY', CURRENT_TIMESTAMP) AS dia;

Obtendo o mês da data atual:
SELECT DATE_PART('MONTH', CURRENT_TIMESTAMP) AS mes;

Obtendo o ano da data atual:
SELECT DATE_PART('YEAR', CURRENT_TIMESTAMP) AS ano;

Função date_trunc (retorna timestamp)
SELECT date_trunc('year', TIMESTAMP '2001-02-16 20:38:40');
Retorna 2001-02-16 00:00:00

Convertendo (CAST)
select to_date('1983-07-18', 'YYYY-MM-DD')
select to_date('19830718', 'YYYYMMDD')

Função timeofday (retorna texto)
select timeofday() -> Fri Feb 24 10:07:32.000126 2006 BRT

Interval
interval [ (p) ]
to_char(interval '15h 2m 12s', 'HH24:MI:SS')
date '2001-09-28' + interval '1 hour'
interval '1 day' + interval '1 hour'
interval '1 day' - interval '1 hour'
900 * interval '1 second'
Interval trabalha com as unidades: second, minute, hour, day, week, month, year, decade, century, millenium ou abreviaturas ou plurais destas unidades.
Se informado sem unidades '13 10:38:14' será devidamente interpretado '13 days 10 hours 38 minutes 14 seconds'.

CURRENTE_DATE - INTERVAL '1' day;
TO_TIMESTAMP('2006-01-05 17:56:03', 'YYYY-MM-DD HH24:MI:SS')


Fonte:
https://pt.wikibooks.org/wiki/PostgreSQL_Pr%C3%A1tico/Fun%C3%A7%C3%B5es_Internas/Data_e_Hora

sábado, 2 de novembro de 2019

SED (Stream EDitor)

O SED é um editor de texto para usarmos em scripts de configuração para automatizarmos algumas tarefas.
Esse artigo não é de minha autoria e o link do conteúdo original está no final.
1 - Troca todas as palavras em um arquivo por outra

sed -i 's/palavra/outra/' arquivo.txt

2 - Imprime só a nona linha

sed -n '9p' arquivo.txt

3 - Imprime da sexta linha até a nona linha

sed -n '6,9p' arquivo.txt

4 - Deleta todas as linhas que contém a palavra desejada no arquivo

sed -i '/palavra_desejada/d' arquivo.txt

5 - Coloca uma palavra no INÍCIO de cada linha

sed 's/^/palavra/' arquivo.txt

6 - Coloca uma palavra no final de cada linha

sed 's/$/palavra/' arquivo.txt

7 - Imprime só as linhas que COMEÇAM com a string ‘http’

sed -n '/^http/p' arquivo.txt

8 - Deleta só as linhas que COMEÇAM com a string ‘http’

sed -n '/^http/d' arquivo.txt

9 - Troca TODAS ocorrências da palavra “marcos”, “eric”, “camila” pela palavra “pinguim”

sed 's/marcos\|eric\|camila/pinguim/g' arquivo.txt

10 - Troca tudo que estiver ENTRE as palavras “Marcos” e “Eric” pela palavra “eles”, exemplo, o texto é:

“No sábado Marcos saiu de pra brincar de bicicleta com o Eric, mas não ficaram até tarde.” e ficará assim: “No sábado eles, mas não ficaram até tarde.”

sed 's/Marcos.*Eric/eles/' arquivo.txt

11 - Deleta linha em branco e altera o arquivo

sed -i '/^$/d' arquivo.txt

12 - Substitui “foo” por “bar” somente as linhas que contém “plop”

sed '/plop/ s/foo/bar/g' arquivo.txt

13 - Substitui “foo” por “bar” exceto as linhas que contém “plop”

sed '/plop/! s/foo/bar/g' arquivo.txt

14 - Insere da Linha 2 a linha 7 o “#” no início de cada linha

sed '2,7s/^/#/' arquivo.txt

15 - Insere a palavra ‘NEW’ no início de cada linha, da linha 21 até a linha 28:

sed -i '21,28s/^/NEW/' arquivo.txt

16 - Troca tudo entre as tags “<” e “>” pela palavra “CODIGO”:

sed 's/<[^>]*>/CODIGO/g' arquivo.txt

17 - Imprime somente a primeira ocorrência da linha com determinada palavra:

sed -n '/dia/{p;q;}' arquivo.txt

18 - Inclue texto no final da linha 9:

sed '9s/$/final da linha/' arquivo.txt

19 - Coloca todas as linhas em uma só:

sed ':a;$!N;s/\n//;ta;' arquivo.txt

20 - Substitui a palavra “BELEZA” por “SIM” somente entre determinadas linhas:

sed '3,6s/BELEZA/SIM/' arquivo.txt

21 - Apaga o que está entre a palavra “falou” e “segundo” ( delimitadores )

sed '/segundo/{/falou/{s/segundo.*falou//;t};:a;/falou/!{N;s/\n//;ta;};s/segundo.*falou/\n/;}' arquivo.txt

22 - Retira comandos HTML (tudo entre < e > )

sed 's/<[^>]*>//g' arquivo.txt

23 - Apaga o 1° caracter da frase

sed 's/.//' arquivo.txt

24 - Apaga o 4° caractere da frase

sed 's/.//4' arquivo.txt

25 - Apaga os 4 primeiros caracteres

sed 's/.\{4\}//' arquivo.txt

26 - Apaga no mínimo 4 caracteres

sed 's/.\{4,\}//' arquivo.txt

27 - Apaga de 2 a 4 caracteres (o máx. que tiver)

sed 's/.\{2,4\}//' arquivo.txt

28 - Exemplos de intervalo

echo "aáeéiíoóuú" | sed "s/[a-u]//g"

saída: áéíóú

echo "aáeéiíoóuú" | sed "s/[á-ú]//g"

saída: aeiou

29 - Transforma texto (URL) em tags HTML de links.

Era : http://www.com

Fica: <a href=”http://www.com”>http://www.com</a>

sed 's_\<\(ht\|f\)tp://[^ ]*_<a href="&">&</a>_' arquivo.txt



O link abaixo ainda traz o uso de REGEX:

https://terminalroot.com.br/2015/07/30-exemplos-do-comando-sed-com-regex.html

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Gerenciador de pacotes do .Net


Assim como temos o Maven para Java e NPM para JavaScript, também temos um Gerenciador de pacotes para a plataforma .Net, que é o NuGet(https://www.nuget.org/).

É possível hospedar seu próprio servidor NuGet internamente na empresa. A Microsoft disponibilizou uma documentação para isto.

https://docs.microsoft.com/pt-br/nuget/hosting-packages/nuget-server

Após você ou outra pessoa configurar um NuGet interno na empresa, basta configurar o Visual Studio para buscar pacotes neste novo servidor, através do menu Ferramentas > Gerenciador de pacotes NuGet > Configurações de Gerenciador de Pacotes e alterando o item Fonte de pacotes (Package Sources) com o endereço do novo serviço.

.NET para Java Developers


O .NET é uma plataforma como a plataforma Java que roda sobre diferentes Sistemas Operacionais, ou seja, é um ambiente de desenvolvimento e execução de programas multilinguagem e multiplataforma que visa facilitar o desenvolvimento e execução de programas, disponibilizando bibliotecas, compilador, máquina virtual, controle de memória, e outras coisas mais.

Por ser da Microsoft ela começou focada apenas no ambiente Windows com o .NET Framework, mas desenvolveu o .NET Core que é multiplataforma como o Java, desde que o S.O. destino tenha implementado as especificações para rodar o .NET Core.

1 - Plataforma .Net Framework (Ambiente de execução para Windows)

O .NET Framework é usado para construir aplicações desktop e/ou aplicações ASP.NET rodando no IIS (Internet Information Server). O ambiente resume-se nesses 4 pontos:

- CLR - Common Language Runtime (Maquina virtual como a JVM no Java)
- Biblioteca .Net Framework - Biblioteca de classes
- Aplicação .NETProgramas que fazemos (Escritos a partir das linguagens do próximo ponto e compiladas para MSIL - Microsoft Intermediate Language)
- Linguagens suportadas: VB, ASP, ASP.net, C#, etc.

2 - Plataforma .NET Core

O .NET Core é uma implementação grátis, de código aberto, cross-platform do .NET Framework. Ele suporta quatro tipos de aplicações: console, ASP.NET Core, cloud, e Universal Windows Platform (UWP). O ambiente resume-se nesses 4 pontos:

- CLR - Common Language Runtime (Maquina virtual como a JVM no Java)
- Bilbioteca .Net Core - Biblioteca de classes
- Aplicação .NET - Programas que fazemos  (Escritos a partir das linguagens do próximo ponto e compiladas para MSIL - Microsoft Intermediate Language)
- Linguagens suportadas: C#, Visual Basic, F#, etc...

3 - .NET Standard

O .NET Standard é uma especificação para implementar a BCL(Base Class Libraries - uma coleção de Bibliotecas de Classe).

Uma vez que uma implementação .NET (Framework ou Core) precisa seguir esse padrão, desenvolvedores de aplicações não terão que se preocupar com diferentes versões do BCL pra cada implementação de framework de código gerenciado.

Resumindo, o .NET Standard funciona como as especificações Java.

OBS: O .NET Framework implementa o .NET Standard mas tem coisas a mais específicas para o Windows, já que o Standard visa justamente a questão da multiplataforma.

4 - Tipo de dados principais:

byte [0-255]
short, int, long
float, double, decimal
bool
string (com 'S' minúsculo)
String (deve importar o namespace System)
object (com O minúsculo)
enum

5 - Cast com C#

Cliente outroCliente = (Cliente) obj; //tradicional como no Java
Cliente outroCliente = obj as Cliente; //Testa se é do mesmo tipo, se não setta nulo, evitando a exceção de tipo imcompatível

6 - Concatenando Strings no C# com propriedades

string a = "Número " + Numero + ", Agência " + Agencia + ", Saldo " + Saldo;
string b = $"Número {Numero}, Agência {Agencia}, Saldo {Saldo}";
string c = @"Texto de várias linhas sem precisar ficar concatenando com ‘+’ ";

7 - Modificadores de Acesso

public = Pode se acessado por todo mundo
private = Apenas acesso interno
protected = Apenas acesso interno e por classes filhas
internal = Deixa a visibilidade apenas para o projeto ao qual pertence (padrão para classes no C#)
internal protected = Modificador formado por duas palavras e que une a funcionalidade do protected e internal

8 - Campos de uma classe

Campos de classes no C# são equivalentes as propriedades de uma classe no Java, a partir deles podemos construir as Propriedades no C#, conceito explicado pouco mais a frente.

Uma coisa interessante sobre os campos é que podemos usar a palavra reservada "readOnly" para definir um campo que pode ter seu valor setado apenas no construtor, e que não pode mais ser alterado depois, mesmo dentro da própria classe!

9 - Properties (Propriedades) no C#

Em Java, propriedades são os campos de uma classe, podendo ser de tipo primitivo ou objetos, geralmente privados com acesso via getters e setters.

Em C#, Propriedades são um conceito um pouco diferente, como se juntassem em uma única coisa as propriedades do Java (campos da classe) e seus métodos getter's e setter's. As Properties (Propriedades) começam com letra maiúscula. Sua declaração na versão simplificada é:

public double Altura {get; set;}

Isso serve para tipos primitivos, objetos, listas etc...

public Pessoa Funcionario {get; set;}

public List<Card> MeuCard {get; set;}

public int Abc {get; private set;}

No C#, o método set por padrão recebe uma variável de nome "value", portanto, para os casos em que se deseja fazer uma validação ou outra coisa no método set, usa-se o value.

OBS: Quando não escrevemos o método setter de uma Propriedade, o compilador cria um campo privado e "readOnly" e apenas o getter do campo.

10 - Herança no C#

Para dizer que uma classe implementa uma interface ou estende uma classe em C# basta colocar ":" entre o nome da classe atual e a classe que ela estende e/ou lista de interfaces separadas por virgula.

Não há diferença a declaração de implementar e estender em C#. Porém, a classe estendida deve vir primeiro que as interfaces.

Exemplo, temos o seguinte:
Classe B, Interface C, D e E. A classe A estende B e implementa C,D e E:

public class A : B, C, D, E {
    ...
}

A classe filha pode fazer referência aos membros da classe pai com uso palavra reservada "base", que seria o mesmo que "super" em Java.

11 - Sobrescrita de métodos (Polimorfismo):

Na classe pai é preciso usar a palavra "virtual" depois do modificador de acesso:

public virtual double GetBonificacao()
{
   return Salario * 0.10;
}

Na classe filha é preciso usar a palavra "override" depois do modificador de acesso:

public override double GetBonificacao()
{
   return Salario + base.GetBonificacao();;
}

OBS: As propriedades no C# (Lembrando que o conceito de propriedades no C# é diferente do Java) também podem fazer uso de "virtual" e "override" para sobrescrita, já que elas contém os métodos getter's e setter's e é possível que seja necessário a sobrescrita de um desses ou até dos dois.

12 - Construtores

Construtores da classe filha chamando construtores da classe pai é bem diferente no C#.

Pai:
public Funcionario(string cpf)
{
    CPF = cpf;
}

Filha:
public Diretor(string cpf) : base(cpf)
{
}

Também é diferente a chamada de construtores da mesma classe. Um construtor pode chamar outro construtor da própria classe com o uso da palavra reservada "this":

public Funcionario(string cpf) : this(1500, cpf) // chama o construtor abaixo!
{
}

public Funcionario(double salario, string cpf)
{
    Salario = salario;
    CPF = cpf;
}

13 - Foreach

No C# o foreach é diferente do Java:

ContaCorrente[] itens = new ContaCorrente[10];
foreach(ContaCorrente conta in items)
{
...
}

14 - Trabalhando com Datas

DateTime dataFimPagamento = new DateTime(2019, 10, 21);
DateTime dataAtual = DateTime.Now;

TimeSpan diferencaEntreDatas = dataFimPagamento - dataAtual;

Console.WriteLine("Diferença em dias: " + diferencaEntreDatas.Days);

OBS: Existe uma biblioteca chamada "Humanizer" que vem com vários métodos para trabalhar com TimeSpan e exibir intervalos de datas de forma amigável para o usuário final.

15 - Comentários

Comentários de documentação (equivalente ao javadoc)

Além de escrever os comentários, precisa-se configurar o build para gerar o xml dos comentários quando compilar o código. Vamos ver o comentário de documentação:


/// <summary>
/// Verifica a senha fornecida.
/// </summary>
/// <param name="senhaUsuario">Recebe a senha salva no parâmetro <paramref name="senhaUsuario"/>.</param>
/// <param name="senhaTentativa">Recebe a senha fornecida no parâmetro <paramref name="senhaTentativa"/>.</param>
/// <returns>bool</returns>
public bool CompararSenha(string senhaUsuario, string senhaTentativa)
{
   return senhaUsuario == senhaTentativa;
}

Demais comentários são como o Java.

       Essas são as diferenças básicas entre o C# e o Java, porém a medida que se aprofunda no uso do C# com certeza existirão outras diferenças entre as linguagens. O objetivo aqui é fazer um resumo para quem precisa começar com o C#.